Conheça os 10 minerais mais caros e mais raros do planeta!

Você conhece quais são os minerais mais caros e mais raros do mundo? Alguma vez já se perguntou “qual é o mineral mais caro do mundo?” ou “qual é o mineral mais raro?” ou até mesmo “o que é um mineral?”.

Ficou curioso para saber as respostas? Então te convido a continuar lendo esse artigo, onde você não só descobrirá as respostas das perguntas feitas acima, como também saberá quais são os 10 minerais mais caros e os 10 mais raros do mundo, além de quanto são avaliados esses minerais e onde eles foram encontrados.

O que são minerais?

Os minerais são corpos naturais sólidos e cristalinos, com uma composição estabelecida, são formados a partir da interação de processos inorgânicos ou também oriundos de asteroides ou meteoritos que atingiram o planeta.

Eles podem ser formados no interior da Terra ou constituídos próximo à superfície, o que lhes dará características químicas e estruturais diferenciadas. Os seus processos de formação são variados, envolvendo a cristalização do magma, a condensação de materiais rochosos nas camadas inferiores, a modificação de minerais preexistentes sob condições específicas de pressão e temperatura, entre outros.

Top 10 dos minerais mais caros do mundo

Há séculos que a humanidade tem extraído minerais em benefício próprio – seja para a construção e produção de novos materiais, itens de consumo, ou simplesmente para queimá-los para outros usos. Hoje, há mais minerais do que nunca, entretanto, alguns valem muito mais que outros. Conheça agora os 10 minerais mais caros do mundo:

Ródio: é um mineral extremamente raro e útil. O metal nobre branco prateado é considerado um item incrivelmente caro no mundo, com mais de US $ 56 por grama.

Figura 1: Ródio

Painite: é um mineral incrivelmente bonito, mas um que irá custar $ 60.000 por quilate para você possuir. É também um dos mais difíceis de ser encontrado e foi descoberto em 1950.

Figura 2: Painite

Diamante: tem sido o mineral comercial que a maioria das pessoas vai optar por uma compra. Este mineral sedutor vai custar até US $ 55.000 por grama.

Figura 3: Diamante

Opala Negra: Opala Negra é na verdade é um mineralóide conhecida pelo seu preço e pela sua raridade. Tornou-se a pedra preciosa nacional da Austrália, onde mais de 95% são colhidos. O valor médio está em torno de US $ 2.350 por quilate.

Figura 4: Opala Negra

Platina: Nós vemos um monte de platina falsa ao redor do mundo, mas a coisa real – que é um metal prateado – vale cerca de US $ 60 por grama. A maioria dos depósitos é encontrada na África do Sul e na Rússia.

Figura 5: Platina

Ouro: Muitas pessoas pensam que o ouro é o mineral mais caro do mundo, mas isso está errado. Ele é caro, mas custa apenas cerca de US $ 56 por grama.

Figura 6: Ouro

Rubis: Os rubis são outra joia maravilhosa conhecida por ser bastante cara. Eles são muitas vezes considerados a única pedra preciosa mais cara de sempre. Sua impressionante cor vermelha vem do cromo. Por quilate, o rubi custa mais de US $ 3.000.

Figura 7: Rubi

Jadeíta: é um mineral único que é um mistério. É uma das gemas mais desejadas e valiosas do mundo inteiro, com mais de US $ 3 milhões por quilate.

Figura 8: Jadeíta

Garnet azul: O Blue Garnet vem em uma variedade de outras cores, não apenas azul, incluindo verde, laranja, rosa, roxo e até amarelo. Eles foram descobertos pela primeira vez em Madagascar nos anos 90, e valem cerca de US $ 1,5 milhão por quilate.

Figura 9: Garnet Azul

Lítio: O lítio tornou-se um mineral crucial na produção de baterias recarregáveis. O primeiro foi descoberto em 1817 em Estocolmo, na Suécia. Hoje, a produção de lítio e mineração é uma indústria multibilionária.

Figura 10: Lítio

Top 10 dos minerais mais raros do mundo

Painita: até meados de 2005, a painita era o mineral mais raro do mundo. Descoberto na década de 1950, pelo mineralogista britânico Arthur Pain, por anos, havia apenas dois tipos de cristais conhecidos, do raro mineral hexagonal. Embora ele ainda seja escasso, o Painita não é mais tão raro. Segundo a divisão de ciências geológicas e planetárias de Caltech, um novo repositório de Painita foi descoberto em Mianmar. Lá, foram encontrados milhares de cristais fragmentados de Painita. Mas, mesmo assim, a pedra ainda permanece entre os minerais mais raros do mundo.

Figura 11: Painita

Alexandrita: A alexandrita é uma variedade de crisoberilo. Do mesmo modo, pertence à mesma família de pedras preciosas da esmeralda. O diferencial dessa pedra é a sua incrível propriedade óptica, a depender do tipo de luz que é inserida, a alexandrita pode passar por mudanças drásticas na sua cor. Essa propriedade específica de cor e escassez se deve a sua composição, que inclui uma combinação rara de metais especiais, como titânio, ferro e cromo.

Figura 12: Alexandrita

Tanzanita: A tanzanita é conhecida por ser 1000 vezes mais rara do que o diamante. E, de fato, ela merece esse título, já que o mineral é exclusivamente encontrado no sopé do Monte Kilimanjaro, em quantidades limitadas. Assim como a alexandrita, a tanzanita também tem propriedades ópticas que proporcionam mudanças radiais nas suas cores, dependendo da iluminação do ângulo.

Figura 13: Tanzanita

Esmeralda vermelha: O berilo vermelho, ou esmeralda vermelha, foi descrito pela primeira vez em 1904. Mesmo fazendo parte do mesmo grupo químico da esmeralda comum, a vermelha é considerada muito mais rara. Principalmente porque a esmeralda vermelha pode ser encontrada apenas em poucas partes de Utah e do Novo México, nos Estados Unidos. Além de ser um mineral bastante complexo e difícil de se explorar. De acordo com cientistas, a esmeralda vermelha é 8.000 vezes mais rara do que os diamantes e rubis.

Figura 14: Esmeralda Vermelha

Turmalina Paraíba: A turmalina Paraíba de cor verde azulada é bem diferente das demais variedades conhecidas de turmalina. Descoberta em 1989, em São José da Batalha, no estado da Paraíba, essa pedra preciosa é a variedade mais cara de turmalina que existe. Muito mais rara do que os diamantes, a turmalina paraíba é bastante limitada. Em suma, se tivermos em vista que as jazidas estão em ponto de esgotamento. Enfim, ela ainda pode ser encontrada em São José da Batalha, no Rio Grande do Norte, Moçambique e Nigéria.

figura 15: Turmalina Paraíba

Diamante vermelho: Os diamantes incolores que você, provavelmente, está acostumado a ver, não são nem de longe, os mais raros entre todos os diamantes. O fato é que os diamantes vêm de uma variedade de cores. Assim, os mais coloridos são os mais raros, como por exemplo o diamante vermelho.

Figura 16: Diamante Vermelho

Musgravite: Descoberto em 1967, na Cordilheira de Musgrave, na Austrália, o musgravite apareceu, em pequenas quantidades, também na Groenlândia, Madagascar e na Antártica. O primeiro musgravite, encontrado com tamanho realmente grande, e suficiente para ser cortado, só foi relatado até 1993.  Até hoje, acredita-se que existam apenas oito espécimes desse mineral no mundo.

Figura 17: Musgravite

Benitoíte: A benitoíte é um mineral com coloração quase sempre azulada que pertence ao grupo dos ciclos silicatos, e foi descrita no início do século 20, pouco depois de sua descoberta. No entanto, apesar de sua composição química ser conhecida, uma das características mais interessantes da benitoíte é a sua fluorescência quando submetida à radiação ultravioleta, propriedade que ninguém sabe explicar ao certo.

Aliás, seu nome foi inspirado no local onde a benitoíte foi descoberta pela primeira vez, o condado de San Benito, localizado na Califórnia.

Figura 18: Benitoíte

Poudretteite: Incrivelmente rara, a poudretteitefoi descoberta na década de 60 em uma pedreira chamada Poudrette — daí o nome da gema — localizada em Mont-Saint-Hilaire, no Canadá. Apenas pequenos cristaizinhos foram encontrados, e esse mineral só foi reconhecido como “nova espécie” no final dos anos 80.

poudretteite só foi descrita cientificamente em 2003 e, segundo os geólogos, são pouquíssimas as pessoas que sequer ouviram falar dela.

Figura 19: Poudretteite

Jeremejevita: Apesar de a jeremejevita ter sido descoberta na Sibéria no final do século 19, cristais com pureza e tamanhos suficientes para a obtenção de gemas só foram descobertos na Namíbia — e em quantidades bem limitadas. A maior jeremejevita facetada do mundo conta com 60 quilates, o que equivale a aproximadamente 12 gramas. 

Figura 20: Jeremejevita


Concluindo…

Bom, chegamos no final do nosso artigo, e eu espero imensamente que você tenha memorizado a foto de cada um desses minerais e que você tropece em alguns deles andando por esse mundo. Se você ficou com alguma dúvida, entre em contato conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *