Minerais criados pela atividade humana

Deixa eu te fazer uma pergunta, será que a ação humana é capaz de formar novos tipos de minerais? Sim, é mais do que possível!

Isso mesmo, estamos dizendo para você que não só acontece, mas já ocorreu e continua ocorrendo de uma forma, digamos que, assustadora. Fique conosco e leia um pouco mais sobre o processo de formação e descoberta desses minerais consequentes das nossas ações no planeta.

Eras da formação dos minerais

Para entender melhor o processo de formação desses novos minerais, devemos entender as diferentes épocas em que houveram as condições necessárias para o desenvolvimento dessas estruturas químicas tão complexas. Dos quase 4,5 bilhões de anos do planeta terra, dois períodos merecem destaque no tocante à esta formação:

A grande oxidação (GOE, à 2,2 bilhões)

Este evento consistiu em um grande boom de oxigênio na atmosfera, provocado pelo início da fotossíntese das plantas, algas e outros seres vivos capazes de produzir oxigênio. Como o nível de O2 na atmosfera era próximo de 0%, demorou alguns milhões de anos para atingir o nível pleno de oxidação no planeta (e assim favorecer a formação dos minerais) e começar a existência do gás na atmosfera, hoje com quase 20%.

Imagem 1: Processo de fotossíntese. Fonte: Reprodução.

Antropoceno

Com a expressiva e constante atuação humana na dinâmica do planeta, diversos especialistas já estão apontando uma nova era geológica. Essa nova era tem as características da dominação humana sobre a natureza, com a degradação ambiental sendo o ponto mais importante desse período.


É interessante falar que toda essa mudança drástica começou recentemente, paralelo à Revolução Industrial e Energética, que teve início em 1700, com o uso generalizado de combustíveis fósseis e a produção em massa de mercadorias e meios de subsistência, possibilitando um aumento exponencial das atividades antrópicas.

Imagem 2: Mundo globalizado. Fonte: Reprodução.

Mas o que tudo isso tem a ver com a formação de minerais por ações dos seres humanos?

Bom, atualmente são conhecidos mais de 5 mil minerais em todo o mundo, de acordo com a revista American Mineralogist. Destes, aproximadamente 5 mil foram criados por processos naturais, alguns antes e boa parte na grande oxidação e em momentos posteriores, levando milhões de anos para se desenvolverem e espalharem pelo planeta.

Entretanto, no Antropoceno, que “começou” em 1700, foram descobertos 208 tipos de minerais diretamente ligados as ações do homem no meio ambiente e suas consequências. Mas, o que mais impressiona é a velocidade das descobertas, pois em mais ou menos 4,5 bilhões de anos foram formados 5000 tipos diferentes e, em menos de 300 anos formou-se 208 minerais, quase uma média de 1 mineral por ano. Esse montante representa 4% de todos os minerais existentes e tem um potencial enorme para novas descobertas e novos tipos de formação.

Ainda mais, o descarte errôneo dos mais variados tipos de lixo (plástico, eletrônico, hospitalar, radioativo), abandono de minas sem o devido planejamento de mina para evitar acidentes e reações químicas, edifícios abandonados, acidentes nucleares como em Chernobyl e até mesmo os ataques sofridos em Hiroshima e Nagasaki, podem favorecer o surgimento de novos minerais, já que mudar drasticamente o ambiente, inserindo outros tipos de minerais/materiais em lugares antes não existentes possibilitam reações químicas.

Quais minerais foram criados?

Neste artigo iremos citar alguns exemplos destes 208 minerais formados pela ação humana e informa-los um pouco mais sobre.

1° Atacamita: foi identificada pela primeira vez no século 19 no deserto do Atacama, no Chile. Mas, em meados no século 20 também foi localizada na crosta de estátuas de bronze na cidade de Alexandria graças à corrosão causada pela água do mar nos últimos 2000 anos.

Imagem 3: Atacamita pura. Fonte: Reprodução.

2° Chalconatronita: fruto do acidente nuclear que aconteceu em 1986, em Chernobyl na Ucrânia.

Imagem 4: Chalconatronita. Fonte: Reprodução

3° Failalita: foram encontradas em altares de sacrifício na região de Tirol, na Europa, fruto da combustão incompleta dos ossos dos animais em reação com as rochas do altar.

Imagem 5: Failalita. Fonte: Reprodução

4° Apexita: surgiu do efeito do tempo sobre um aterro de mina localizado na Mina Apex, em Nevada, EUA, de onde veio a inspiração para o seu nome.

Imagem 6: Apexita. Fonte: Reprodução

5° Andersonita: Pode ser encontrada após as obras de mineração, revestindo as paredes dos túneis da mina. Sua localidade-tipo é a mina Hillside (Arizona, Estados Unidos), mas também é encontrada em outras veias pelo país, bem como na Argentina, Inglaterra, Espanha, Áustria, Grécia e Japão.

Imagem 7: Andersonita. Fonte: Reprodução

Por fim, com a mudança da dinâmica do planeta feita pelos seres humanos, é inevitável que a natureza consiga absorver tudo e seguir seu curso normalmente, por isso o grande surgimento de muitos minerais nunca encontrados antes em tão pouco tempo. Pela pouca concentração encontrada na natureza, alguns são mantidos em museus para visitação do público e outros são reproduzidos em laboratórios, pois tem alguns tipos de utilidades para nós.


E então, o que você achou do tema? Apesar dos prós e contras, só reforça a ideia de que a mineração é uma das atividades mais relevantes da história e não tem previsão para um fim, já que novos minerais estão sendo descobertos e com um potencial incrível para agregar à humanidade. Esperamos que você tenha gostado do conteúdo e qualquer dúvida é só entrar em contato com gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *