Vulcão: o que é, como se forma, quais tipos existem

Você já se perguntou como um vulcão se forma? Ou ainda, por que no Brasil não tem atividade de vulcanismo?

Bom, nesse artigo te contaremos tudo sobre o que você precisa saber de informações técnicas sobre os vulcões. Em outro artigo nós te contaremos sobre as cidades que sofrem ou/e já sofreram com esse fenômeno da natureza.

O que é um vulcão? E vulcanismo?

Em primeiro lugar, concorda conosco que antes de falarmos sobre como os vulcões são formados, precisamos saber o que ele é?

Então, o vulcão é uma estrutura geológica constituída de massa de rocha fundida, devido às altas temperaturas em seu interior. Basicamente, representam uma abertura na superfície terrestre capaz de expelir material magmático e gases vindos do interior do planeta.

Você já reparou que visualmente os vulcões assemelham-se amontanhas?

Pois é, eles podem até ser confundidos, especialmente quando se encontram inativos. Além disso, os vulcões podem ser localizados tanto nos continentes quanto nos oceanos, e o estudo dessas estruturas é bastante relevante para compreender os eventos ocorridos no interior da Terra.

Figura 1: Vulcão inativo. Fonte: Reprodução.

Já comentamos sobre o que é um vulcão, agora saberemos o que é o vulcanismo. Bom, sabemos que é uma atividade pela qual o material magmático (sólido, líquido ou gasoso) atinge a superfície terrestre por meio de fendas abertas em rochas pouco resistentes da crosta terrestre.

Figura 2: Vulcão em erupção. Fonte: Reprodução.

Como eles são formados?

A princípio, a formação dos vulcões está associada com a existência das placas tectônicas. Sabemos que a litosfera terrestre não é formada por um bloco rochoso único e imóvel, e sabemos também que a Terra é formada por grandes blocos semirrígidos que se movimentam sobre o manto, de maneira lenta ou contínua. Essa movimentação pode fazer com que essas placas se aproximem ou afastem-se uma das outras.

É devido às altas temperaturas no interior do planeta que essa movimentação acontece. O calor gerado desencadeia umamovimentação circulardo manto (movimento convectivo), fazendo com que o calor existente no núcleo terrestre seja transferido para as outras camadas da Terra. Assim, provoca a movimentação das placas situadas sob o manto.

Figura 3: Distribuição de vulcões (representados pelos pontos vermelhos). Fonte: Reprodução

Assim, quando as placas tectônicas se chocam, ocorre o chamado movimento convergente, onde a placa mais densa afunda-se retornando ao manto e sofrendofusão, enquanto a outra placa, ao sofrer pressão no sentido oposto, origina então dobras na crosta terrestre. Essas dobras dão origem a pequenas ilhas vulcânicas na chamada zona de subducção. Assim, é possível afirmar que aocorrência dos vulcões está associada àsregiões de limite entre as placas tectônicas.

Vale a pena salientar que não é apenas o movimento de aproximação que provoca a formação de vulcões. O afastamento das placas tectônicas provoca a formação de vulcanismo submarino à medida que o fundo oceânico se expande.

Outro ponto importante a ser abordado é que não há ocorrência de vulcões apenas nos limites entre as placas. Podem encontrar-se em pontos quentes, nas regiões no interior da placa. Esses pontos são chamados e conhecidos, em inglês, de hot spothavendo possibilidade de ascensão do magma. Um exemplo disso são os vulcões localizados no Havaí.

Do que é composto um vulcão?

Os vulcões, apesar de suas várias formas, possuem uma estrutura comum. Além disso, são formados principalmente por silicatos que se misturam com vapor d’água e gás, e possuem uma estrutura que se liga a uma câmara subterrânea profunda.

Figura 4: Ilustração da estrutura do vulcão. Fonte: Reprodução.

A seguir, você conhecerá um pouco mais sobre cada parte que compõem um vulcão:

-Câmara magmática: é o reservatório de rocha líquida que se encontra abaixo de um vulcão e tem origem no manto. O magma exerce pressão sobre a rocha, criando rachaduras e outros escapes por meio dos quais ele penetra. Quando o magma contido na câmara magmática exerce pressão suficiente para vencer a resistência das rochas que formam o teto da câmara, ele é libertado pela chaminé.

Chaminé: é a passagem pela qual o magma sobe da câmara magmática até a superfície. Chaminés secundárias também podem ocorrer como ramificações da chaminé principal.

Cratera: é a “boca do vulcão”, isto é, o orifício por meio do qual o magma alcança a superfície. Grandes vulcões podem apresentar outros orifícios secundários.

Magma ou lava: é a rocha derretida que escorre durante a erupção vulcânica. Quando a lava quente se solidifica do lado de fora do vulcão, a rocha resultante é chamada de rocha ígnea ou magmática. Os fluxos de lava podem ser rápidos ou lentos, dependendo da composição de lava.

-Nuvem de cinzas: são pequenas partículas de rocha pulverizada, minerais e areia que são lançadas no ar durante uma erupção. Esses pequenos fragmentos de rocha aquecidos podem ser transportados pelo vento a centenas de quilômetros. Nuvens de cinzas vulcânicas podem causar perigosos problemas para a aviação, bem como danos a edifícios.

Vulcão X Terremoto

Você sabia que há uma relação entre terremotos e a distribuição dos vulcões? Bom, antes vamos entender um pouco sobre o que é o Terremoto. O Terremoto é, de maneira geral, um abalo sísmico, ou seja, tremores provocados na superfície terrestre de alta ou baixa intensidade. Esses abalos podem ocorrer devido à movimentação das placas tectônicas e também pela atividade vulcânica que libera forças acumuladas.

Assim, as regiões onde as placas tectônicas convergem-se provocam acúmulo de pressão e descarga de energia, acionando então o vulcão. A intensidade da erupção vulcânica pode então provocar tremores na superfície, portanto, o terremoto.

Quais os tipos de vulcões existem?

Os vulcões diferem-se em sua forma e também quanto ao tipo de erupção (que pode ser explosiva, efusiva, mista ou catastrófica) e quanto ao material expelido (como as erupções havaiana, estromboliana, vulcaniana, pliniana, entre outras).

Figura 5: Vulcão em atividade. Fonte: Reprodução.

Os vulcões podem ser classificados segundo o material magmático expelido. Os principais tipos são:

-Vulcão-Escudo: é capaz de expelir enormes quantidades de material magmático que percorrem longas distâncias, formando uma larga montanha remetente a um escudo;

-Cone de escória: é o mais comum, apresenta menores dimensões, e o magma expelido é de baixa viscosidade;

-Estratovulcões: possui o formato de um cone, sendo, portanto, íngreme. Mantém-se em longa atividade, sua lava expelida é de alta viscosidade e, por vezes, ascende-se ao exterior do vulcão de forma violenta;

-Caldeira: possuiu um grande diâmetro, entre 15 km2 e 100 km2, podendo ser formado em horas ou dias. É caracterizado pela saída violenta de gases do interior do planeta;

-Vulcão submarino: encontra-se no fundo oceânico e é responsável pela formação de um novo assoalho.

Classificação dos Vulcões

Os vulcões são classificados em 3 categorias:

-Ativo: apresenta atividade, ou seja, demonstra sinais de instabilidade.

-Dormente: não está em atividade, contudo, pode ser que, em um dado momento, volte a apresentar sinais de instabilidade.

-Extinto: possivelmente não apresentará sinais de atividade.

Existem vulcões no Brasil?

Bom, para o alivio da nação brasileira, no nosso país não existe nenhum vulcão ativo. Entretanto, de acordo com o CPRM – Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais, o vulcanismo já existiu no Brasil no fim da Era Mesozoica, especificamente nas regiões Sul e Sudeste do país. Nessas são encontradas rochas basálticas.

O país atualmente tem sua área continental sobre a placa tectônica Sul-Americana, portanto, não está entre um encontro de placas, não havendo então formações de vulcões.

Curiosidades

  • Enfim, para finalizarmos esse artigo, iremos te contar algumas curiosidades sobre os vulcões:
    -De acordo com o CPRM, existem cerca de 20 vulcões em atividade no mundo todo;
  • -Em Marte há um vulcão, o Monte Olimpus, com cerca de 26 km de altura, além de outros três vulcões;
  • -Segundo o CPRM, nos últimos 250 anos, houve cerca de 90 tsunamis provocados por erupções vulcânicas;
  • -Há cerca de um vulcão, a cada 100 km, na Cordilheira dos Andes;
  • -A ciência que estuda os vulcões é a Geologia, especificamente a Vulcanologia.
  • -Os vulcões mais perigosos do mundo são: Vesúvio (Itália); Eyjafjallajökull (Islândia); Sakurajima (Japão); Kilauea (Havaí); e Merapi (Indonésia).

Ficou interessado? Quer saber mais? Entre em contato com a gente por nossas redes sociais e tire suas duvidas. Será um prazer atender você!

Precisa de assessoria em seus serviços minerários? Interessado em nossos cursos? Entre em contato com a gente, aqui, nossa prioridade é você!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *