Conheça os top 10 minerais mais perigosos do mundo

Quando falamos de minerais perigosos, provavelmente o que vem na sua mente é radioatividade, não é? Em parte, você está certo, porém essa associação está equivocada, o que talvez você não saiba é que existem minerais tóxicos ao corpo humano que não estão associados a radioatividade.

Entretanto, se você ficou curioso e quer saber mais sobre minerais radioativos, temos um artigo pronto, é só clicar nesse e conferir.

Já conversamos várias vezes sobre a relevância dos minerais na sociedade, afinal a mineração é uma indústria indispensável. Entretanto, os efeitos da mineração não são apenas vantagens.

Alguns minerais, mesmo que em pequenas quantidades, possuem a capacidade de poder desregular o equilíbrio da fauna e flora de uma região. Já imaginou o que algum deles podem causar na vida humana? Para nós, principalmente, é possível criar um efeito acumulativo, podendo gerar um câncer ou causar diversas outras doenças, as quais possuem como característica a letalidade gradativa e no geral dolorosa. Sabe o que é mais curioso? Alguns deles estão por toda parte, inclusive em nossas casas. Então, a seguir você conhecerá os 10 minerais mais perigosos do mundo.

Os top 10 minerais mais perigosos do mundo

Quartzo (SiO2)

Um dos minerais mais perigosos é o mineral mais abundante da crosta terrestre (59,71%) chega a ser irônico não acha?

Entre suas utilizações na indústria estão: na informática, devido a sua propriedade semicondutora e na construção civil, pois é o principal constituinte da areia.

O problema real está no pó de sílica, que é responsável pela ocorrência de silicose, uma doença pulmonar causada pela inalação desse pó, causando uma formação gradual de nódulos nos pulmões. Por consequência, a doença dificulta a respiração e causa dores intensas no peito. E qual a cura? Unicamente esperar a desintoxicação natural do corpo, o que pode levar anos.

Figura 1: imagem do Quartzo. Fonte: Reprodução

Hidroxiapatita (Ca10 (PO4)6(OH)2)

Conhece este? É o mineral responsável pela dureza dos seus ossos e dentes, ele pode representar até 70% do peso ósseo. Como você pode perceber, a composição leva vários átomos de cálcio, um componente importante contra a osteoporose.

Contudo, o problema se apresenta quando estamos diante de uma concentração alta deste mineral, quando, de alguma forma, é transportado pelo sangue e se acumula nas artérias, o que pode até causar a petrificação do sistema sanguíneo. Assustador, não acha?

Figura 2: imagem da Hidroxiapatita. Fonte: Reprodução

Riebeckita (crocidolita) (NaFe2(SiO3)3)

Mais conhecido como amianto azul, este é um mineral do grupo dos anfibólios e constituinte dos Asbestos. Na indústria ele é muito utilizado graças as suas ótimas propriedades, no entanto essas também são altamente criticadas pelos cientistas. 

Sua capacidade de causar problemas respiratórios e câncer, devido a inalação de suas fibras insolúveis, é protagonista de muitas polêmicas atualmente. Este mineral possui alerta da OMS (Organização Mundial da Saúde) para seus problemas, no entanto, alguns países continuam a comercializar este mineral.

Portanto, no fim do ano passado o STF (Supremo Tribunal Federal) tornou inconstitucional sua comercialização em todo Brasil. Estima-se mais de 20 mil mortes ocasionadas por intoxicação de crocidolita, tornando-o, virtualmente, o mais perigoso do mundo.

Figura 3: imagem da Riebeckita. Fonte: Reprodução

Calcantita (CuSO4. 5H2O)

Não se engane, apesar de possuir beleza exuberante e ser bem apreciado pelos colecionadores, graças a sua coloração azul, a composição deste mineral é a responsável por colocá-lo nesta lista. Ele é solúvel em água e possui sabor muito amargo e adstringente. Sua principal consequência é o aumento considerável da concentração de cobre (Cu) nos ambientes em que está presente.

Este elemento, quando inserido em altas concentrações no organismo dos seres vivos é capaz de encerrar as atividades vitais. Assim, a tentativa de extração deste mineral pode gerar um desequilíbrio ecológico imenso.

Figura 4: imagem da Calcantita. Fonte: Reprodução

Torbenita (Cu(UO2)2(PO4)2(OH)8-12)

Finalmente chegamos a um mineral radioativo nessa lista. Você se recorda qual foi o maior acidente radioativo, em área urbana, do planeta? Foi o acidente em Goiânia, e como consequência, fixou ao imaginário brasileiro a potência dos efeitos causados por elementos radioativos, principalmente ao falar do Césio-137.

Mas afinal, você sabe qual o motivo de ele entrar nessa lista letal? Então, isso se dá por conta sua composição, pois este mineral contém Urânio.

Figura 5: imagem da Torbenita. Fonte: Reprodução

Galena (PbS)

Até os anos 80 era possível encontrar chumbo na gasolina, ele era adicionado de forma proposital, para trabalhar como um aditivo, e não para por aí, o chumbo também estava presente em linhas completas de cosméticos. Já imaginou ter chumbo na sua rotina de skin care?

Mas vou te contar um segredo, alguns cosméticos, possuem até hoje este elemento, inclusive está presente em produtos de marcas grandes e renomadas no mercado da beleza. Sabe aquele batom maravilhoso? Bom, ele pode estar contaminado.

A galena é o principal minério de chumbo. O seu pó, pode ser letal devido a sua neurotoxicidade. Neste caso, as consequências são inúmeras, dentre elas incluem: problemas de linguagem, aprendizagem, redução de fertilidade, aborto, alterações hormonais, câncer, problemas circulatórios e disfunção renal.

Figura 6: imagem da Galena. Fonte: Reprodução

Estibinita (Sb3S3)

Os cristais deste mineral chamam muita atenção, apresentam semelhanças com espadas prateadas. Ele era usado como alternativa para a prata e apresenta uma grande semelhança quando usado em itens domésticos, como os pratos, copos e talheres.

Todavia, a estibinita já foi responsável por causar mortes por intoxicação gástrica, levou muito tempo até se descobrir o motivo de tantas mortes, diferente da prata, este não era inofensivo.

Figura 7: imagem da Estibinita. Fonte: Reprodução

Arsenopirita (FeAsS)

No geral, toda a família de minerais que contém enxofre na sua composição não é muito amigável. E dentro da extensa lista dos minerais mais maléficos está a arsenopirita. Ela possui semelhança com a Pirita, aquele que é conhecido como o ouro de tolo, devido sua semelhança e baixo valor no mercado, ela tem o arsênio na sua composição.

A volatilidade é bem alta e, por isto, ao modificar o mineral, tanto por choques mecânicos quanto por aquecimento, ele libera um cheiro forte de alho, consequência da liberação do Arsênio. O elemento é extremamente corrosivo, tóxico e cancerígeno.

Figura 8: imagem da Arsenopirita. Fonte: Reprodução

Auripigmento (As2S3)

Para ilustrar as consequências deste mineral é preciso que você imagine o período das lutas com arco e flecha, nessa época o pó do auripigmento era usado para mergulhar as pontas das flechas, consegue adivinhar o objetivo? Aumentar as chances de matar um inimigo.

O auripigmento é outro mineral que contém arsênio, já temos um padrão aqui. Ele é relativamente raro, se forma em ambientes de fontes hidrotermais. Mesmo assim, foi protagonista na morte por envenenamento de alguns artistas que utilizavam de sua cor avermelhada para produzir tinta.

Figura 9: imagem da Auripigmento. Fonte: Reprodução

Cinábrio (HgS)

Para fechar a lista com chave de ouro, temos um mineral formado exclusivamente por dois dos elementos mais tóxicos da natureza, a mãe natureza é meio irônica as vezes. Esse está presente até mesmo na ficção: filmes, livros e jogos de RPG. Poucas coisas são mais letais que o cinábrio, sua tradução literal é “sangue de dragão”.

A beleza é uma questão a ser pontuada. Assim como o auripigmento, as maiores vítimas foram artistas e pacientes médicos, acreditava-se na China que este mineral tinha poder de cura. Os sintomas causados pela intoxicação de cinábrio são bem fortes: tremores, perda dos sentidos e até mesmo a morte.

Figura 10: imagem da Cinábrio. Fonte: Reprodução

Bom, esses foram os 10 minerais mais perigosos do mundo, agora que você conhece e sabe identificá-los, se encontrar algum deles por aí, sabe que deve sair correndo, ne? Brincadeiras à parte, se por acaso ainda ficou alguma dúvida, basta entrar em contato conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *