“Mina de San José 2010”

“Mina de San José, 2010”. uma das notícias mais impactantes do início da década passada foi a operação de resgate dos 33 mineradores na mina de San José, no Chile. Quando as rochas colapsaram, esses homens enfrentaram meses de angústia. No entanto, graças à determinação dos trabalhadores e à incrível engenharia dos resgatadores, essa história teve um final feliz. É intrigante pensar como esses homens sobreviveram 69 dias a 700 metros abaixo do solo. Ficou curioso? Acompanhe-nos neste artigo para relembrar essa história emblemática.

Mina de San José 2010
   Mineiros presos após o desabamento das rochas (fonte: Cena do Filme Los 33// Revista Veja)

Sobre a mina

Localizada no deserto do Atacama, perto da cidade de Copiapó, no Chile, a mina de San José tinha como finalidade a exploração de ouro e cobre. Pertencente à Companhia San Esteban Mining, ela iniciou suas atividades em 1889 e encerrou em 2010. A entrada da mina, situada numa montanha de rochas ígneas predominantemente de diorito, dá acesso a vários túneis subterrâneos, com o túnel principal em formato de espiral.

  Ilustração da mina (fonte: AFP notícias)

O desastre na Mina de San José 2010

Logo após o almoço, por volta das 14:00, os trabalhadores estavam na mina realizando perfurações em busca de mais ouro. Nesse momento, eles notaram rachaduras nas paredes dos túneis. Então, um tremor ocorreu e um pedaço de rocha de 130 metros, pesando meio milhão de toneladas, desabou, bloqueando o túnel principal. Os trabalhadores próximos ao grande fragmento quase foram esmagados e por pouco não foram atingidos por rochas menores. Alguns conseguiram escapar em um veículo, mas a maioria dos mineiros ficou presa atrás do diorito. Felizmente, ninguém morreu, mas os 33 homens ficaram confinados no interior da mina.

Dentro da mina, havia uma sala de emergência projetada para situações como essa. Os mineiros se abrigaram lá e se organizaram para racionar a água e a comida, sem saber quanto tempo duraria o resgate ou se ele aconteceria. O oxigênio também se tornou limitado quando, dois dias depois, outro desabamento prejudicou seriamente muitos dutos de ventilação.

Começo da operação

Assim que as pessoas ao redor perceberam o problema, o pânico se instaurou. O noticiário local espalhou a notícia, e familiares e amigos dos mineiros chegaram rapidamente ao local. Em resposta, várias perfuratrizes foram mobilizadas para tentar cavar um duto até onde os mineiros estavam presos. O Ministro das Minas do Chile, Lawrence Colburn, chamou a atenção do governo federal, transformando o problema da mina em uma questão de escala nacional e, posteriormente, internacional.

 San José 2010
Começo da operação de resgate (Wikipédia)

Os EUA e a Austrália contribuíram significativamente, trazendo profissionais e tecnologia. Junto ao maquinário já existente na mina, eles somaram 9 brocas de alta potência, que perfuravam desesperadamente em busca da sala onde os mineiros se abrigavam. Com a entrada dos EUA na operação, até a NASA participou, aproveitando sua experiência em ambientes extremos.

A Engenharia por trás do resgate

Inicialmente, as equipes tentaram resgatar os mineiros pelos dutos de ventilação, mas, com esses dutos prejudicados, a única alternativa foi cavar novos buracos na rocha dura por 700 metros e torcer para que tudo desse certo. Embora pareça simples localizar a posição do abrigo e cavar para baixo, a realidade era mais complexa. Mesmo com cálculos precisos, as perfuratrizes tendem a desviar devido à dureza da rocha. Além disso, mesmo que o buraco ficasse muito próximo do local desejado, ainda não seria suficiente. A situação era comparável a fazer um gol no canto da trave com pouco tempo para pensar no chute.

Primeiramente, perfuraram um buraco para levar alguns mantimentos. Em seguida, planejaram uma perfuração mais elaborada, pela qual os mineiros seriam resgatados.

Mina de San José
Uma das perfuratrizes utilizada nas obstruções das rochas (BBC News)

O resgate na Mina de San José 2010

Durante 17 dias, não houve nenhum sinal de esperança, e quase todos acreditavam que os mineiros estavam mortos. No entanto, quando uma das brocas retornou à superfície, ela trouxe um pequeno pedaço de papel preso a ela. Nele, estava escrito “Estamos todos vivos, os 33”. A notícia trouxe uma imensa alegria!

Por esse primeiro duto, enviaram potes com água, comida, remédios, bandeiras do Chile, cabos de comunicação, equipamentos de iluminação e até pequenas Bíblias. Esses suprimentos mantiveram a saúde e a moral dos mineiros em alta. Posteriormente, construíram um segundo duto, com 60 cm de diâmetro, onde uma cápsula, chamada Fênix II, foi apoiada. Esta cápsula, construída com tecnologia da NASA e testada pelos militares chilenos, resgatou todos os mineiros para a superfície entre o 68º e o 69º dia.

Mina de San José 2010
Cápsula Fênix II trazendo um dos mineradores (GloboNews)

Conclusão

A vitória foi noticiada em todo o mundo e comparada a um grande evento esportivo. Os mineiros emergiram como heróis nacionais, e canais de notícias de todos os lugares cobriram os fatos. Após o acontecimento, a segurança no trabalho das minas no Chile aumentou significativamente, e o assunto ganhou maior atenção em minas ao redor do mundo.

Atualmente, a mina de San José está fechada, mas se tornou um ponto histórico importante. Lá, é possível encontrar monumentos, fotos dos mineiros, réplicas da cápsula Fênix, e uma frase escrita na rocha: “Aqui viveram 33 mineiros. Deus esteve conosco…”. O que poderia ter sido uma tragédia se tornou um dos eventos mais emocionantes da mineração, certamente marcado para sempre na história.

Mina de San José 2010
Monumento em homenagem aos mineradores (Chile Travel)

Ficou interessado? Quer saber mais? Entre em contato com a gente por nossas redes sociais e tire suas duvidas.

Será um prazer atender você! Precisa de assessoria em seus serviços minerários? Interessado em nossos cursos? Entre em contato com a gente, aqui, nossa prioridade é você!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *